terça-feira, 15 de janeiro de 2019

A Favorita

               

                 Lá vamos nós para mais um Catarinense, este é o de número 45 para a Chapecoense e como sempre promete ser equilibrado nas duas partes da tabela, a de cima e a de baixo.

                  A Chapecoense é a favorita, não é zicar, não é garantir que o título vem, mas sim dizer o óbvio, o time para o Catarinense está entrosado e sobra. Logo em seguida vem o Avaí, que perdeu peças importantes e não contratou muito, mesmo assim deve incomodar(ou se incomodar, veremos), Criciúma que reforçou bem depois do fiasco na série B, e Figueirense(mais pela tradição do que pelo elenco. Este é o bloco considerado "de cima", abaixo o JEC puxa a fila, seguido de Brusque e Tubarão no mesmo patamar, Marcílio Dias, Hercílio e Metropolitano(estes 3 últimos fortes contra o rebaixamento..

                   Tradicionalmente um pequeno surpreende, os dois candidatos este ano devem ser Tubarão e Brusque usando a tradicional fórmula "3 pontos em casa e 1 fora".

                    A merreca para os clubes é a mesma de sempre, a transmissão vai ficar devendo e quem quiser ver os jogos do seu time vai ter que apelar para a internet e torcer para ser boa no dia do jogo.
       
                     Não podemos esquecer também a expectativa pela criatividade da taça que será entregue em 21 de abril para o campeão do Sicoobão 2019.

                     Sem mais delongas, acredito que teremos Chapecoense, Avaí, Figueirense e Criciúma fazendo as semis, daí, dizer que faz a final é puro chute.

                     Sob as bençãos de Condá! Pra cima deles Índio!!!!

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Como será nosso 2019?

              Depois de um bom tempo afastado desta boa rotina que é escrever e opinar sobre o meu time de coração, resolvi que era hora de voltar. Confesso que ano passado, a vontade de escrever sobre a equipe que se apresentava variou do "larguei mão" para o "pelo amor de Deus".
   
             
                Foi um ano conturbado, a montagem do time foi complicada, ainda sobre a sombra dos processos que se avolumaram, a necessária contenção de despesas, sempre presente na nossa história, aliada à pouca inspiração fez com que o índice de acertos da diretoria responsável pela seleção dos nomes que chegaram fosse baixo.

                  Começamos o ano perdendo a final do Catarinense em casa, jogadores pouco inspirados, um frango colossal do nosso ex-goleiro, que mal sabíamos ainda iria nos fazer sofrer muito, e vimos o Figueirense com um time bem meia-boca calar a nossa.

                   Na sequência não fizemos melhor, Libertadores, duas derrotas, ainda tivemos a desculpa de enfrentar um grande do continente, mas foi só isto mesmo. Copa do Brasil, um sopro de esperança ao eliminarmos o Atlético/MG nos pênaltis, pensamos "será que esta será nossa surpresa este ano?", não foi, perdemos na sequencia para um "cambaleante" e instável Corinthians, duas vezes e fomos eliminados.

                    Nos restava o Brasileiro e como sofremos, contas e mais contas a cada rodada, um olho na Chape e outro nos adversários da parte de baixo da tabela, o Z4 nunca havia sido tão presente na nossa história de série A, a toalha foi jogada e juntada diversas vezes. Ficou tudo para a rodada final e mais uma vez escapamos.

                    O ano novo que se apresenta, não vai ser muito diferente em termos de equipe, poucas contratações e manutenção da espinha dorsal do ano anterior. Vamos ter que torcer muito para que os que chegarem, sob o comando do Claudinei, consigam endireitar esta espinha.

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

O depois, depois se vê

       


                                                Foto: AFP / Nelson Almeida
    Quase um ano sem escrever sobre a Chapecoense no blog, mas o momento pede união de todo mundo e resolvi voltar.

          Tenho muitas críticas a fazer para a atual diretoria, mas não farei até o final deste brasileirão. Não porque eu ache que não se deve criticar, mas pelo fato de que precisamos primeiro tentar deixar a Chape na série A para 2019. Muita coisa está em jogo, muito além de apenas ser "vergonha" ir para série B, o que na verdade no nosso caso não é nenhuma, somos um clube pequeno do interior de SC e que estamos há 5 anos fazendo é fenomenal. O que conta na verdade é tudo o que foi conquistado, exposição mundial, categorias de base evoluindo muito, imagem se consolidando no país e isto pode ir por água abaixo em caso de um descenso.

          Matematicamente ainda estamos em totais condições de escapar e até conseguir mais, uma vaga na Sul Americana por exemplo, mas um passo de cada vez, jogo por jogo e sabemos que a única maneira de conseguirmos conquistar isto é com a torcida, cidade e região jogando juntos. Sei que a paciência está no limite, mas quero pedir um pouquinho mais, não peço pela diretoria, nem pelos jogadores, pela nossa camisa.

           Temos 3 jogos importantíssimos em casa, temos condições de pontuar em todos, mas menos que 6 pontos é inaceitável

             Vamos para o estádio, gritar, apoiar, pressionar o adversário e a arbitragem, é o que podemos fazer como torcida no momento, o depois, depois a gente vê

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Mais que um sonho

             
               Não resisti, preciso falar da Chape.

               Que ano meus amigos, tudo indicava que seria difícil, muitos jogadores emprestados que oscilaram quase que constantemente, indo de heróis a vilões a cada rodada, de ponta a ponta no campo e realmente foi um ano complicado.

                O estadual com bi-campeonato veio, mas por pouco não foi perdido dentro de casa, contando com uma falha grotesca do ídolo avaiano. Depois uma eliminação fora de campo na Libertadores unindo uma falha interna com a má vontade da Conmebol e uma Sul Americana com participação longe em qualidade e garra da anterior.

                 Então veio a principal competição, a que mantém o clube crescendo e podendo planejar o futuro e iniciamos como o "Leicester" brasileiro(zica desgraçada e nem partiu daqui do Oeste) e depois tivemos uma sequência muito ruim que culminou com a correta demissão de um desinteressado Mancini, porém seguida da inexplicável contratação do Eutrópio que nos levou a um caos ainda maior e um frio na barriga pela possibilidade real de descer pra B.

                 Ontem porém, ainda que não matematicamente a Chapecoense voltou a mostrar para o país o espírito de Condá que vem mantendo um clube de uma cidade do interior de um estado pequeno na representação do futebol nacional. Dominou o Santos e garantiu, ainda que não matematicamente a permanência por mais um ano entre os 20 melhores clubes do país.

                 Precisava falar deste orgulho, precisava falar desta alegria que o Verdão sempre proporciona àqueles que seguem acreditando sempre e que apesar das dificuldades continuaram firmes.

                  Quem venha 2018 e que possamos voltar a surpreender o Brasil e o mundo.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Adios indiada

         
            Tudo na vida tem seu momento e há tempo para tudo, não lembro exatamente a data, mas faz uns 10 anos atrás que o blog GoldaChape me convidou para escrever sobre o Verdão do Oeste, naquele tempo o costume eram longos debates nos comentários da postagem e como a gente se divertia...

             Em 2011 veio o convite do DC para o projeto Passionais da Chape onde a ideia era "inticar" o torcedor dos times rivais de SC e foi ainda mais divertido, nesta época o Face já era a preferência para se comentar sobre futebol e poucos ainda utilizavam os comentários diretos nas postagens, mas a ideia seguia a mesma, falar da paixão.

             No final de 2014 o contrato com o Diário Catarinense terminou e eu resolvi continuar escrevendo minhas opiniões sobre o Verdão do Oeste e criei o FalaDaChape, sempre procurando manter o tom otimista sem deixar de falar o que era preciso para o Verdão.

              Hoje encerro esta minha participação como "blogueiro", imaginando que de alguma forma contribuí para uma visão mais "positiva" da nossa Chapecoense, para incentivar os que apoiam mais do que jogam pedras, afinal o equilíbrio é essencial pra tudo na vida.

               Agradeço aqueles que me acompanharam durante estes anos, 115.379 visualizações aqui neste espaço, 300 visualizações em média por postagem, pouco eu sei, mas para alguém que não é profissional e não vive disto, considero muito valioso.

               Orgulho e prazer de ter acompanhado e comentado todo o crescimento do nosso Verdão, alegrias enormes e uma tristeza gigante pela tragédia e a certeza de torcer para um time que representa um povo.

                Obrigado de coração pela paciência!!! Continuaremos nos vendo nas redes sociais. Abração.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Cairemos?

         
            A Chapecoense começou a série A a todo vapor, foi líder, manteve a posição no G4 por algumas rodadas e dava a impressão de que tiraria de letra a primeira meta de todo time catarinense na série A, permanecer. Porém as coisas foram desandando aos pouquinhos, com a eliminação do time da Libertadores, a queda de desempenho, lesões, falta de convicção da diretoria e do técnico.

            Derrotas e empates inesperados fizeram a Chapecoense encerrar o turno batendo na porta do Z4 e assim como as primeiras 10 rodadas do turno eram previstas como difíceis, as primeiras 10 do returno passaram a ser decisivas. (Palmeiras(f), Corinthians(c), Avaí(f), Cruzeiro(c),Grêmio(f), Ponte Preta(c),                              ), o mínimo aceitável nesta primeira etapa são 13 pontos, o que nos deixaria com 35 e precisando buscar pelo menos mais 9 ou 10 nos últimos 27 disputados.

              Se não fosse esta falta de perspectiva que se vê em um time comandado por um técnico burocrático, que não inspira ninguém, poderíamos cravar como certa a permanência da Chape, o time, apesar de limitado, está longe de ser pior que os outros 7 que vão brigar contra o descenso (Atlético/GO, Avaí, Vitória, Ponte Preta, Coritiba, Bahia, Vasco). Um pouco mais de "ânimo" e estaremos novamente na série A de 2018.

               Não joguei a toalha, nunca jogo, sou otimista com os pés no chão, menos que 35 pontos até a rodada 29 eu não estarei no grupo que vai gritar "Eu acredito" no estádio, pois a lógica vai me impedir de fazer isto.

               Sei que pode soar pessimista, mas sem uma mudança radical, técnico e presidente, acho difícil encontrarmos o rumo. Maninho foi e é importante para o Verdão, mas não tem nem cacoete de presidente de um clube de futebol.

               Desculpem o desabafo....

sábado, 5 de agosto de 2017

Ai meu coração!!!

         

           A Chapecoense está dividindo o sentimento dos seus torcedores, se por um lado teremos a possibilidade de assistir um jogo histórico, valendo taça, diante de um dos maiores clubes do mundo, se não for o maior, por outro teremos um dia antes uma partida importantíssima para nossas pretensões de cumprir a maior meta do ano, permanecer na série A.

           Jogar contra o Barcelona e não ser goleado, para um time do nosso porte, já será uma vitória grandiosa, aí você pode dizer "mas ah Jean, não dá pra ser pessimista, vai que a gente faz uma gracinha lá", gente, sendo bem otimista a gente perderá por menos de 3, estou sendo realista. Portanto este jogo vale apenas como exposição do clube.

            A partida contra o Coritiba por outro lado é bem mais complicada, pois vale 3 pontos e nosso histórico lá, tirando a goleada do ano passado onde vencemos por 4x3, não marcamos nenhum gol jogando na capital paranaense nos outros dois jogos(3x0 e 1x0). Enquanto a gente vem de uma derrota para o lanterna e um empate para um time abaixo de nós na tabela(ambos em casa) eles vem de um empate fora contra o Flamengo e uma vitória importante fora de casa contra o São Paulo ,para piorar estamos com a mesma pontuação disputando posição.

             Independente do resultado a ida para Barcelona será histórica, o mesmo não vale para a ida para o Paraná, uma derrota apesar de não nos colocar no Z4, vai nos deixar com uma missão dificílima para o returno, uma vitória aliviaria bem a tensão.

            Vamos, vamos Chape!!! Pra cima deles Índio!!!

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Tudo ou nada

             
                  O jogo em si contra o Bahia não parece complicado, nosso histórico, lá e cá e de vitórias, o time deles acaba de mudar de técnico e não vem bem, porém a Chape vem se mostrando inconstante.

                  Não bastassem nossos pequenos problemas, que devem ser acertados com a chegada dos reforços, temos ainda uma rodada em que tudo pode ficar ainda pior em caso de derrota, uma vez que os times que estão abaixo do Verdão na tabela, vão se enfrentar e podem empurrar o nosso mais para baixo ainda.

                 O São Paulo pega o Coritiba, qualquer um que vencer nos ultrapassa, O Atlético pega, em casa, o Avaí, vencendo também nos ultrapassa, perdendo, deixa o rival estadual na nossa cola, o Fluminense, fora de casa pega o Sport, caso vença ou empate nos tira uma posição. Sem contar é claro com o próprio adversário desta noite que também nos ultrapassaria.

                   Quero acreditar que o jogo passado foi um cochilo, uma moleza pela ressaca da classificação na Sul Americana. É jogo para botar tudo o que se tem em campo e não aceitar outro resultado que não seja a vitória. Eutrópio não é do tipo motivador, logo, vai ter que compensar com grande acerto tático e nas mexidas durante o jogo. Perder não é uma opção e empate é para se lamentar muito.

                   Vamos, vamos Chape!!! Pra cima deles Índio!!!

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Síndrome do "Jogo fácil"

             
                 Em 2015, a Chape vinha de uma vitória épica sobre o River Plate em casa por 2x1,  na sequencia pegaria o Atlético/PR que vinha mal das pernas no Brasileirão,a torcida esperava um atropelamento, o que aconteceu foi um frustrante empate em 0x0.
                 No ano seguinte, após uma classificação também histórica sobre o Independiente de Medelin enfrentaríamos em casa outro time capengando, o Vitória, novo atropelo esperado pela empolgada torcida e o que levamos foi uma sapecada de 1x4 na nossa casa.

                  A Chapecoense tem vivido esta "Síndrome do jogo fácil", os jogadores que vem para cá parece que se contaminam com ela facilmente. O time começa mostrar melhoras, desenvolver um futebol razoável, mas basta pegar um time abaixo na tabela, ou logo após uma excelente apresentação, que parece que as pernas amolecem. Foi o que vimos contra o Atlético/GO.

                  Tenho mais dezenas de exemplo que não vou escrever aqui, porque acho que já mostrei meu ponto. Todo mundo lembra do Imbituba, Juventus, Almirante Barroso... Basta a gente esperar que o resultado seja o óbvio que o Verdão vai lá e faz o contrário.

                    Desta vez não mudamos a escrita, após uma classificação na Sula, que nos encheu de orgulho, lá foram os jogadores dormindo enfrentar o lanterna e favorito ao rebaixamento e deu no que deu.

                    Agora teremos Bahia em casa e Coritiba fora, menos que 4 pontos nestas duas partidas, podem preparar o coração, sofreremos muito no returno.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

De nuevo soñar

               
             Mais uma vez o Condá vai ser pintado de verde e branco para receber os hermanos argentinos para uma disputa de tirar o fôlego. Começaremos a partida eliminados e teremos 90 minutos e mais um pouco para reverter a situação, fazendo dois gols de diferença , caso consigamos apenas devolver o resultado da ida, testaremos ainda mais nossos corações coma  disputa de pênaltis.

                O adversário mudou muito desde o primeiro confronto, a começar pelo técnico e passando por vários jogadores destaques. Portanto a única coisa que veremos se repetir em campo é a já conhecida garra e entrega argentina. Eles estão com um aproveito de 53% no campeonato nacional, com 14 V, 7 E e 9 D, sendo que vem de 4 vitórias seguidas e durante todo campeonato perderam apenas 3 vezes por 2 gols de diferença(osso duro de roer).

                 Do lado verde e branco, também mudamos de técnico e estamos em uma melhor fase do que aquela que estávamos quando perdemos de 1x0 lá. A classificação não é obrigação da Chape, mas seria um passo muito importante para consolidar a recuperação, além é claro de trazer $$$ para nossos cofres.
   
                  Ainda dói a eliminação da Libertadores por um erro burocrático da Conmebol, aliado à falta de experiência e de bom senso do nosso presidente. Mesmo assim, a torcida não deve levar isto para campo, é outra competição e temos chances reais de seguir adiante, mas será preciso aquele apoio irrestrito durante a partida.

                  Vamos, vamos Chape!!! Pra cima deles Índio!!!
               

terça-feira, 18 de julho de 2017

Caiu na rede,é ponto...

             
                 ...mas não vai ser nada fácil.  Nosso histórico contra eles é bastante desfavorável, parece que não conseguimos ainda aprender um jeito de enfrentar os paulistas do litoral. Foram 6 confrontos até hoje, apenas uma vitória do Verdão em Chapecó e lá perdemos todas as 3 que jogamos e para piorar sempre levamos pelo menos 3 gols.

                  Apesar da vitória que nos deu certo alento na rodada passada, sabemos que ainda estamos reorganizando o time pós-Mancini, voltando ao velho estilo brigador na defesa e meio de campo, porém cientes de que isto leva tempo para encaixar. Para piorar um pouco mais, o Santos vem fazendo um bom Brasileirão e vai lutar com unhas e dentes para se manter no G4.

                   Os reforços ainda estão se preparando e também vão precisar se adaptar ao time, então mesmo que entrem no BID , pouco provavelmente serão utilizados de cara. Vamos com o que temos e devemos manter a postura "cautelosa", nada de todo mundo pra cima do adversário. Se trouxermos um ponto de lá, já terá sido um baita resultado, na verdade será inédito.

                   Somar pontos é o que importa no momento, colocação na tabela vai importar apenas no final do campeonato.

                    Vamos, vamos Chape!!! Pra cima deles Índio!!!

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Valeu o apoio

             
             Qualquer torcida consegue criticar, ofender, agredir, mas a torcida verde e branca, mais uma vez fez diferente,foi receber o time no aeroporto após a derrota para o Sport com apoio e incentivo. Sabendo que na próxima partida teríamos um time bastante mudado e enfrentaríamos um time qualificado e precisando vencer.

              O primeiro tempo não ajudou a melhorar a expectativa de sair da situação incômodo de estar às portas do Z4, pouca produção do Verdão do Oeste e um 0x0 que trazia o medo de mais um revés dentro de casa que nos colocaria em uma situação ainda mais delicada.

               Veio o segundo tempo e vimos a mão do Eutrópio, a substituição no ataque deu resultado rápido, após dois minutos em campo Túlio de Melo abriu o placar de cabeça. O São Paulo tentou equilibrar o jogo com lampejos individuais porém sem sucesso, até que nos acréscimos viu Lucas Marques ampliar e dar o placar final da partida.

                 O jogo não foi bonito, mas como dizem, "até os quero-queros da Arena sabem" que o mais importante agora é somar pontos enquanto o time não se acerta 100%, precisamos de pelo menos mais 6 pontos até o final do turno, dá para fazer mais.

                   Se o Eutrópio fizer o básico, jogar sem se jogar para cima dos adversários feito um bando, poderemos nos manter na série A sem muito susto.

                    Destaque para a presença da torcida, apesar do momento ruim, não abandonou o time. 99% das vezes, apoiar faz mais diferença para o bem do que vaiar e protestar. Protesto deve ser guardado para time sem raça , nem de perto é este o caso desta Chapecoense de 2017.

                     Valeu meu Verdão!!!!